Doadores aumentam, mas número de transplantes ainda é insuficiente no Brasil

Levantamento da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO) em conjunto com o Ministério da Saúde atesta aumento de 3,5% na taxa de doadores efetivos, em 2016. Apesar do acréscimo, índice ainda está 3,4% abaixo do objetivo do ano. Ao analisar estados separadamente, conclui-se que nenhum da Região Sudeste alcançou a meta proposta – inclusive, o Rio de Janeiro apresentou queda de 26,2% em transplantes renais e 16,9% em hepáticos.

“A recusa por parte das famílias ainda é muito elevada, 43%. O percentual é perigoso e reflete a falta de informação que ainda cerca o tema. Políticas de conscientização devem ser colocadas em prática a fim de desmitificar o procedimento, além de evidenciar que é feito de íntegra”, avalia Clovis Klock, presidente da Sociedade Brasileira de Patologia (SBP).

Não existem mecanismos na legislação brasileira que garantam a vontade do falecido, por mais que ele tenha deixado sua intenção expressa em qualquer meio, como registrada em cartório. Quem dá a palavra final são os familiares, assim uma conversa franca é a melhor ferramenta para um doador garantir que seus órgãos possam salvar vidas.

A autorização por parte da família teve melhor incidência no Paraná, onde apenas 33% dos familiares consultados impediram a doação; na contramão, Roraima e Acre registraram índice de rejeição superior a 75%. Ainda, o estudo apontou forte resistência de pacientes idosos (idade igual o superior a 65 anos), considerados como potenciais doadores – entre eles, a taxa de doadores é de somente 11%.

Dentre os estados que mais se destacaram na doação de órgãos, Santa Catarina lidera a lista, com aumento de 22%, representando 36,8 doadores por milhão de população (pmp). Apesar da queda de 9,5%, o Distrito Federal é o terceiro mais bem colocado nesse ranking, com 25,7 pmp.

Klock lamenta, contudo, a disparidade entre regiões do Brasil, concentrando 30,1 doadores pmp no Sul e somente 3,5 no Norte. “Esta centralização prejudica o serviço nessas áreas do País, afetando pacientes que aguardam na fila de espera”, atesta. Roraima, Tocantins, Mato Grosso e Amapá não registraram nenhuma doação de órgãos em 2016.

Transplantes

Em todo o País, houve queda nos transplantes renais; contudo, os casos de hepático, cardíaco, pulmonar e pancreático aumentaram significativamente. De acordo com o documento, os transplantes de rim caíram em decorrência da diminuição de 2,4% da realização do procedimento com doadores mortos: neste caso, São Paulo está no topo da lista, com 2.049 transplantes; apesar do Rio de Janeiro ter diminuição de 26,2%, ainda está entre os melhores resultados do Brasil, em quinto lugar.

Segundo o presidente da SBP, o aumento geral do número de transplantes efetivados segue a tendência dos últimos anos, mas ainda há um longo caminho para atingir os parâmetros ideais. “Olhando para o cenário geral, temos avanço positivo. Porém ainda precisamos amadurecer muito, visando atender mais pacientes e, principalmente, fora do polo formado pelo Sul e Sudeste. Há desafios que precisam ser estudados para que aumentemos o número de doadores efetivos e de transplantes”, pondera.

Dados de dezembro de 2016 apontam haver mais de 34 mil pessoas na fila de espera do País. A maior é para rim, com número aproximado de 21 mil, seguida da córnea, com superior a 10 mil.

Garantindo o transplante

O presidente da SBP explica que um órgão se torna inviável para transplante em casos de parada cardíaca do doador, antecedente de alguns tipos de câncer, determinados tipos de infecção e tempo sem circulação sanguínea. Essas condições fazem o tecido do órgão deteriorar-se e sua função ser prejudicada. A biópsia realizada pelo médico patologista, junto com outros exames, fornece as informações sobre a extensão do acometimento do órgão.

“Após um transplante, muitas vezes é necessário seguir com biópsias complementares. Esse exame, analisado por um patologista, consegue avaliar o bom funcionamento do órgão transplantado e a boa preservação tecidual pela vascularização adequada, além da presença ou ausência de alterações sugestivas de rejeição do transplante”, finaliza Klock.

Sobre a SBP

Fundada em 1954, a Sociedade Brasileira de Patologia (SBP) atua na defesa da atuação profissional dos patologistas, oferecendo oportunidades de atualização e encontros para o desenvolvimento da especialidade. Desde sua instituição, a SBP tem realizado cursos, congressos e eventos com o objetivo de elevar o nível de qualificação desses profissionais.

1 Comentário

  1. Wow, fantastic weblog format! How long have you been blogging for?
    you make blogging glance easy. The overall glance of your site is fantastic, as well as the content!

    You can see similar here sklep online

2 Trackbacks / Pingbacks

  1. link
  2. เติม เงิน ps5

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.